Empreendedorismo na universidade



    Empreendedorismo e educação. Este é o tema do livro Universidades e Ecossistemas de Empreendedorismo: A Gestão Orientada por Ecossistemas e o Empreendedorismo da Unicamp (Editora Unicamp, R$ 30), do economista Paulo Lemos, lançado no dia 30 de abril. O assunto é a conexão dos criadores de negócios inovadores e as universidades. Para ilustrar melhor essa realidade, ele mostra um levantamento feito das empresas que fazem parte da rede Unicamp Ventures e ainda exemplifica usando universidades estrangeiras que conseguem aliar uma realidade à outra.

    Ensino superior e empreendedorismo

    Empreendedorismo na universidadeNa opinião do autor, a inovação no empreendedorismo dentro das universidades ocorre quando estas instituições entram em contato com várias atividades do meio onde estão inseridas. Ele exemplifica citando o caso do Massachussetts Institute of Technology (MIT), Stanford, da Universidade de Utah e de Cambridge, que possuem grande nível de produção em ciência e tecnologia e paralelamente também são empreendedoras.




    Já no caso do Brasil, Lemos diz que é preciso ter um modelo de gestão que seja mais adequado, com uma quantidade maior de gestores e pessoas qualificadas para tomar a frente dele. As dificuldades podem ser resolvidas com mais educação em empreendedorismo e formação de gente capacitada para dar conta da demanda.

    De acordo com ele, a Unicamp tem esta estrutura. Nela existe o Unicamp Ventures, que é um grupo de ex-universitários que hoje são donos de negócios de sucesso. Dessa forma, eles estão em permanente contato e trocando experiências. Os empresários se reúnem, vão a palestras, trabalham como conselheiros de startups e hoje já desenvolveram um fundo de investimento.

    Como inovar dentro da universidade

    Na opinião do autor, uma nova visão surge quando existem mais cursos de inovação e empreendedorismo que sejam o suficiente para interferir na mentalidade dos universitários. Ele diz que as universidades mais conceituadas do mundo praticam o empreendedorismo, dessa maneira, estudos e negócios caminham juntos em constante influência mútua.

    Por enquanto, a mentalidade a respeito do assunto no Brasil está sendo modificada bastante, porém ela ainda não é capaz de gerar uma cultura de empreendedorismo e inovação dentro das instituições de ensino superior. Ainda assim, o autor e economista diz que a união entre as duas práticas é uma tendência mundial e dá resultados positivos e bem aproveitados. Para exemplificar, ele afirma que um ex-aluno que atualmente tem o seu negócio e é bem-sucedido poderá servir como modelo para aqueles que ainda estão cursando a faculdade.

    Sebrae já atua em universidades brasileiras

    A preocupação em aliar ensino superior com empreendedorismo já é antiga e por isso existem ações de instituições renomadas neste sentido. O Sebrae, por exemplo, neste ano, fez um convênio com mais 14 instituições de ensino superior para que os estudantes tenham aulas sobre o tema e ainda possam usufruir de práticas neste sentido, somando com mais seis que já tinham feito parceira no ano de 2010. Dessa maneira, agora já são 20 escolas  levando o empreendedorismo para dentro de sala de aula para que seus alunos possam colocar em ação tudo o que é aprendido ali.




    Com a iniciativa do Sebrae, 16 mil estudantes são afetados diretamente.

    Título: Pesquisador analisa empreendedorismo na universidade
    Veículo: Pequenas Empresas, Grandes Negócios
    Autor: Mariana Grazini
    Data: 30/04/2013




    FIQUE ATUALIZADO!

    Receba Sacadas de Negócios Diretamente no Seu E-mail!

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here