Finanças Pessoais – Aprenda Como Criar a Sua



Finanças Pessoais
Finanças Pessoais

Está com dificuldades para cuidar das finanças pessoais? Não tem problemas, vamos ensinar a você como conseguir atingir seus objetivos e melhorar as finanças pessoais, confira!

As finanças pessoais são um dos problemas mais comuns nas famílias, inclusive, um dos responsáveis por causar a “destruição” da paz na casa. Talvez você não esteja nesse estado (é o que eu espero), mas sente dificuldade de administrar as suas contas e precisa de uma ajuda.




Esse é um texto que a gente sente prazer em escrever, porque muitas pessoas serão ajudadas com ele, então não perca nadinha.

Sua Ideia de Negócio é Lucrativa?

Saiba quais são as 5 Perguntas Poderosas que podem salvar seu negócio antes mesmo dele ser criado. Evite cometer os ERROS COMUNS dos empreendedores de primeira viagem. Saiba mais...

PS: No final eu apresento uma ferramenta que pode triplicar suas chances de sucesso com um negócio próprio. Clique aqui!.

É comum as pessoas pensarem que o problema de não conseguirem organizar suas finanças pessoais está no fato do seu salário não ser exatamente o que “gostariam” ou correspondem as suas necessidades, porém, basta olhar para os lados, existem casos de pessoas que ganham muito menos que você e tem dinheiro para trocar de carro, comprar casa própria, pagar escola particular para os filhos e por ai vai. Então, afinal, o que elas fazem de diferente?

A resposta ‘parece simples’ mas não é: essas pessoas sabem como gerir seus custos, administrar seus recursos, fazer contas que realmente são necessárias, priorizar o que é importante e abrir mão do que é desnecessário. E quando eu falo em ‘desnecessário’ não significa que essas pessoas não fazem festas, compram carro novo ou até mesmo algo que pode ser considerado ‘luxo’, e sim que elas traçam prioridades e analisam realmente se o que estão adquirindo está dentro do seu orçamento e supre as suas expectativas.

Vamos trabalhar parte por parte o que você precisa saber para cuidar das suas finanças pessoais e parar de se preocupar com a falta de dinheiro no final do mês! Aprenda de uma vez por todas como organizar finanças pessoais.

Quanto ganhar para arcar com suas finanças pessoais

Ganhar bem é desnecessário para ter as finanças pessoais em dia? Claro que não! Você precisa ter uma boa renda mensal, quanto mais ganhar melhor, isso é óbvio. Não entendo porque dizem que o importante é só organizar as contas, você precisa sim ganhar bem. É tudo um conjunto de práticas que unidas permitirão você se ver livre dos problemas de finanças pessoais.




Busque um emprego que realmente remunere o seu esforço, não estou dizendo para xingar o chefe e pedir as contas, mas sim deixar currículos em outros locais com a pretensão de encontrar um emprego melhor, isso não “tira pedaço” de ninguém e, caso consiga outro emprego, ótimo, você terá um aumento de salário. O que você não pode é estar com problema nas suas finanças pessoais e ficar inerte, deixando que cada vez piore mais.

Esqueça essa “historia” de que cortar os custos resolverão os problemas da sua vida, existem custos que não podem ser cortados, e dai, o que vai fazer? Foque no conjunto que conseguirá administrar as suas finanças pessoais.

Uma boa dica é estudar a teoria geral da administração, embora seja voltada para estudiosos da área, também serve de grande apoio às pessoas que estão com dificuldades de gerir suas próprias contas.

O que você pode comprar para não extrapolar as finanças pessoais

Esse é outro problema bastante comum, identificar o que se pode ou não comprar, o que é necessário ou acha-se que é necessário.

Vou falar para vocês, com a quantidade de mensagens subliminares e o estudo intenso sobre a atuação de linguagens corporais e imagens no inconsciente, está muito difícil resistir aos impulsos inconscientes causados todos os dias no nosso cérebro.

Afinal, o que fazer quando você tem vontade de comprar algo? Você passou por uma loja e viu uma televisão smart 52′ (e todas aquelas características que não sei para que serve) e quer comprar, afinal, está em promoção, caiu R$ 600,00 reais no preço. Sua televisão? Aquela porcaria? Apenas 39′ e não tem sistema de retroiluminação? Ai eu me pergunto, como você sobreviveu esse tempo todo sem ter essa super televisão? Ai você compra essa televisão, afinal, podia fazer em 10x sem juros, deu uma prestaçãozinha de apenas R$ 200,00 reais ao mês (R$ 2.000,00 reais).

Mas calma, já pensou assistir o jogo de futebol do seu time ou a novela naquela TV de  52′? Quando você chega em casa, instala aquela TV maravilhosa e percebe que é ruim de assistir, porque a sua sala é muito pequena para uma TV daquele tamanho, a qual exige entre 7 a 9 metros de distância. RSRS, e agora?

Diga-me, qual era a necessidade de ter comprado essa televisão? E não me diga que nunca sentiu vontade de comprar algo (talvez não uma televisão) nesses mesmos parâmetros.

Sempre que você se deparar com um desejo de comprar algo, o primeiro passo é não comprar. Deixe. Espere pelo menos 2 dias. Depois desse período você não estará mais sobre a influência da propaganda e poderá pensar por você mesmo, caso ainda tenha vontade, passe ao segundo passo, se não já parou por ai!

No segundo passo você verifica se esse produto é algo que vai substituir o que você já tem ou se é algo que está em falta. Caso seja a 1 opção é necessário que você tenha “dinheiro sobrando” para comprá-lo, já que você pode tranquilamente esperar mais um pouco com o seu.

Chegou a conclusão que precisa daquele item, agora é o momento de ir para as finanças pessoais, na parte de planejamento, investimento e custos.

Você precisará pagar um determinado valor, tornando-o um custo, pois bem, faça um planejamento para que consiga pagá-lo, por exemplo, para comprar X coisa eu precisarei reduzir tantos reais em tal ponto, mais Y em outra coisa e etc, assim sucessivamente, até que consiga economizar o suficiente para alcançar o custo. Uma boa forma é reduzir os custos de outras coisas até conseguir, pelo menos, 50% do valor do investimento.

Como cortar custos para melhorar as finanças pessoais

Para chegar às finanças pessoais perfeitas é preciso unir os 3 fatores (ganhar bem, saber comprar e cortar custos), mas sem sombra de dúvidas, o cortar custos é o mais difícil.

Basta pensar da seguinte forma, quando você melhora seu salário, qual é a primeira coisa que faz? Compra algo e aumenta seus custos, não é?  Esse é o problema, o objetivo para conseguir estabilizar as finanças pessoais é reduzir os custos e não aumentá-los.

Nesse ponto surge uma pergunta:

Como fazer para reduzir os custos e estabilizar as finanças?

Aqui não se mente, então já adianto, não é uma tarefa fácil!

Para reduzir os custos você terá de abrir mão de algumas regalias, preparar-se para ser disciplina e acima de tudo, seja firme em suas decisões.

Comece listando todas as suas contas mensais, dividindo-as em fixas, variáveis, permanentes e não permanentes. Você pode utilizar uma planilha do excel para fazer isso, facilita bastante e fica bem organizado.

Não adianta querer reduzir seus custos se nem souber quais são, concorda?

Depois que tiver detalhado suas despesas, faça um plano financeiro, Nesse plano financeiro faça constar os seus projetos, quantidade de dinheiro que deseja que sobre final de cada mês e até possíveis depósitos na poupança. Ao fazer esse plano financeiro você entenderá e saberá como controlar as finanças pessoais, então não pule essa etapa.

Seu plano financeiro será suas metas e objetivos, então tente se ater, mas claro, crie algo que é possível atingir.

Depois disso chegou o momento de identificar os custos que serão cortados. Procure por gastos que não são realmente necessários, como é o caso de saídas noturnas com frequência, aquisição de bens que não são necessários e até mesmo na redução de custos com aquisição de alimentos através de promoção.

Tudo que você encontrar que pode ser diminuído, assinale! Nele você irá trabalhar.

Muitas vezes a dificuldade de diminuir um determinado custo não está na necessidade que se faz do produto, mas sim da vontade que a pessoa possui de organizar as suas finanças pessoais.

Escolha o que você reduzirá de custo e faça uma reunião familiar, com todos aqueles que podem estar envolvidos na possível redução, faça com que saibam que aquilo precisa ser cortado ou reduzido, sob pena de ter de “tirar outra coisa deles”. Com o apoio de todos os responsáveis é muito mais fácil de conseguir resultado.

Quando falamos em reduzir os custos para alinhar as suas finanças pessoais não estamos nos referindo de “não viver mais”, você poderá ser igual, sair para jantar com sua família, ter programas prazerosos e curtir o seu lazer, mas é preciso fazer isso de forma dosada, sem comprometer as suas finanças pessoais.

Uma dica interessante nessa questão de lazer é procurar por programas em família que não exigem tantos gastos, como é o caso de um bom filme e pipoca, todo mundo gosta e sai baratinho!

Outro fator que costuma quebrar qualquer orçamento das finanças pessoais são as crianças. Nossa, filhos com certeza são um dos custos mais difíceis de controlar, é uma ida no mercado para ter um aumento de pelo menos 20% dos gastos.

Olha, honestamente, sei que é difícil dizer não para crianças, porém, se você quer manter suas finanças pessoas em dia vai ter que aprender a dosar o que seus filhos podem ou não ter.

Comece a estabelecer limites desde cedo, não estou dizendo para não dar nada aos seus filhos, mas sim dar o que é necessário e, o que não for necessário, oferecer quando você realmente puder dar e de forma esporádica.

Agora que já conhece sobre finanças pessoais, que tal melhorar a sua?




FIQUE ATUALIZADO!

Receba Sacadas de Negócios Diretamente no Seu E-mail!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here