Direitos Humanos e Cidadania – 11 Coisas Importantes



Direitos Humanos e Cidadania
Direitos Humanos e Cidadania

Conheça os direitos humanos e cidadania, podem ser muito úteis e aplicados na sua vida.

Você acha que o mundo tem uma sociedade com inúmeros problemas?  Pois bem, saiba que tudo podia ser ainda pior, uma vez que bem ou mal, existem normas e leis que foram criadas justamente para reduzir as desigualdades e crimes cometidos contra o ser humano, protegendo todos os cidadãos, indiferente de cor, raça, idade, sexo e etc.




Uma das garantias dadas à sociedade é os direitos humanos, que são responsáveis por defender as pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade, além de promover a cidadania, uma vez que permite que todos os indivíduos possam contrair direitos e ao mesmo tempo os estimula a cumprir com o seus deveres.

Sua Ideia de Negócio é Lucrativa?

Saiba quais são as 5 Perguntas Poderosas que podem salvar seu negócio antes mesmo dele ser criado. Evite cometer os ERROS COMUNS dos empreendedores de primeira viagem. Saiba mais...

PS: No final eu apresento uma ferramenta que pode triplicar suas chances de sucesso com um negócio próprio. Clique aqui!.

Os direitos humanos não são aplicados apenas no Brasil, pelo contrário, grande parte dos dispositivos legais utilizados foram estabelecidos a partir de tratados internacionais e pela Convenção de Direitos Humanos. Raramente uma pessoa não fará valer seus direitos humanos e cidadania em outro país, claro, salvo raríssimas exceções.

Infelizmente, são poucas as pessoas que conhecem e entendem sobre os direitos humanos e cidadania. Frisa-se que os direitos humanos e cidadania não são “uteis” apenas para quem trabalha com a aplicação da lei, visto que quanto mais pessoas souberem sobre eles, maior seria o número de interessados em cobrar que os direitos sejam colocados em prática.

Tem interesse por essa área e gostaria de saber mais sobre o tema? Para ajudar, reunimos uma série de informações valiosas sobre o que são direitos humanos e cidadania. Prontos?

Origem dos direitos humanos e cidadania

Os problemas e injustiças na sociedade sempre existiram, no entanto, foram mais intensas em alguns momentos como, por exemplo, nas guerras civis e entre Estados. Com o intuito de reduzir as desigualdades e garantir que as pessoas tenham a sua dignidade respeitada, foram declarados os Direitos Humanos e do Cidadão.




A declaração dos Direitos Humanos e do Cidadão foi feita em 1789, na França, tendo sido inspirada nos pensamentos do movimento Iluminista, na Assembleia Nacional Constituinte e na Revolução Americana de 1776. O documento é composto por direitos que têm o objetivo de promover a igualdade e liberdade entre os indivíduos, além de estimular a cidadania na sociedade.

Conheça os direitos humanos e cidadania

Para cobrar os seus direitos ou exigir que eles sejam cumpridos por outras pessoas é necessário conhecê-los. Por isso, conheça abaixo quais são os direitos humanos e de cidadania.

1 – Liberdade

“Art.1.º Os homens nascem e são livres e iguais em direitos. As distinções sociais só podem fundamentar-se na utilidade comum”.

Segundo os direitos humanos, toda a pessoa que nasce tem, automaticamente, o seu direito de liberdade garantido, independente das suas características ou classe social, podendo exercer a sua liberdade sob qualquer circunstância.

A liberdade não se restringe apenas a questão “pessoal” ou personalidade da pessoa, abrangendo, inclusive, os bens. Por isso a legislação brasileira põem a salvo o direito de ir e vir do país com seus bens, claro, salvo casos especiais, como é o estado de guerra declarada.

2 – Liberdade política é cidadania

“Art. 2.º A finalidade de toda associação política é a conservação dos direitos naturais e imprescritíveis do homem. Esses direitos são a liberdade, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão”.

Muito provavelmente você conhece ou já viu nos noticiários o caso de alguém que foi perseguido pelo fato de se opor a uma determinada situação do Estado em que reside, não é mesmo? Isso não deveria acontecer porque os direitos humanos e cidadania preveem que todo o indivíduo tem a liberdade de contrair bens, ter segurança e pode se opor aos opressores.

Porém, é óbvio que até mesmo os direitos humanos e cidadania possuem seus limites, inexiste, na realidade, um direito totalmente absoluto. No caso dos direitos humanos, a liberdade pode ser restringida caso cometido algum crime. Alguns países põem a salvo o fato de permitir exilo político, por não ser considerado crime no país.

3 – Autoridade

“Art. 3.º O princípio de toda a soberania reside, essencialmente, na nação. Nenhum corpo, nenhum indivíduo pode exercer autoridade que dela não emane expressamente”.

A autoridade máxima vem do Estado, ou seja, do país em que as pessoas residem e ninguém pode forçar os cidadãos a cumprir determinadas normas, a não ser que seja de quem é responsável por aplicar a lei em nome da nação.

Perceba, é por essa questão que existe a democracia no Brasil, escolhendo-se o representante da “nação”, concedendo-lhe poder para agir em nome dela, emanando o poder do povo.

Também, cabe salientar que os países estão em “pé de igualdade”, ou seja, não existe um país superior a outro em termo de hierarquia governamental, todos são independentes e soberanos.

4 – Respeito à dignidade do próximo faz parte dos direitos humanos

“Art. 4.º A liberdade consiste em poder fazer tudo que não prejudique o próximo: assim, o exercício dos direitos naturais de cada homem não tem por limites senão aqueles que asseguram aos outros membros da sociedade o gozo dos mesmos direitos. Estes limites apenas podem ser determinados pela lei”.

Os direitos humanos garantem a liberdade aos indivíduos, mas isso não significa que eles podem fazer tudo o que quiserem, pois a sua liberdade não pode ser utilizada para ferir ou oprimir os direitos do próximo, com isso, dizemos que um direito deixa de ser direito e passa a ser uma ilegalidade, quando fere os direitos dos outros indivíduos.

5 – Ninguém pode ser submetido a uma situação contra a sua vontade

“Art. 5.º A lei proíbe senão as ações nocivas à sociedade. Tudo que não é vedado pela lei não pode ser obstado e ninguém pode ser constrangido a fazer o que ela não ordene”.

Uma das principais preocupações dos direitos humanos é garantir a dignidade aos cidadãos, pensando nisso, o Artigo 5.º prevê que ninguém pode ser submetido a uma situação contra a sua vontade.

Porém, devemos salientar que existe uma exceção, que é a previsão legal. Por exemplo, existe legislação que determina o sistema de visto de saída do país, ora, deve a parte submeter-se, indiferente da sua vontade, já que é uma determinação legal.

Diante disso, podemos dizer que ninguém será submetido a uma situação contra a sua vontade, SALVO, quando a lei expressamente exigir.

6 – Liberdade para concorrer

“Art. 6.º A lei é a expressão da vontade geral. Todos os cidadãos têm o direito de concorrer, pessoalmente ou através de mandatários, para a sua formação. Ela deve ser a mesma para todos, seja para proteger, seja para punir. Todos os cidadãos são iguais a seus olhos e igualmente admissíveis a todas as dignidades, lugares e empregos públicos, segundo a sua capacidade e sem outra distinção que não seja a das suas virtudes e dos seus talentos”.

Independente das suas características, origens, crenças ou classe social, nenhuma pessoa pode ser excluída dos processos participativos da sociedade, uma vez que a declaração dos direitos humanos assegura que todos os cidadãos possuem liberdade para concorrer à vagas públicas, tanto para estudo quanto para trabalho.

7 – Ninguém pode ser preso arbitrariamente consta na Declaração de Direitos Humanos

“Art. 7.º Ninguém pode ser acusado, preso ou detido senão nos casos determinados pela lei e de acordo com as formas por estas prescritas. Os que solicitam, expedem, executam ou mandam executar ordens arbitrárias devem ser punidos; mas qualquer cidadão convocado ou detido em virtude da lei deve obedecer imediatamente, caso contrário torna-se culpado de resistência”.

Uma pessoa só pode ser detida e sofrer interferência na sua liberdade se estiver cometendo uma infração que está prevista no Código Penal do Estado, do contrário, a situação pode ser classificada como um ato de arbitrariedade e criminoso.

8 – Aplicação da lei

“Art. 8.º A lei apenas deve estabelecer penas estritas e evidentemente necessárias e ninguém pode ser punido senão por força de uma lei estabelecida e promulgada antes do delito e legalmente aplicada”.

O cidadão de uma nação só poderá ser punido pela força das leis estabelecidas, sendo que se o ato for cometido antes da validade da lei, ele não poderá ser punido.

É importante, para quem deseja aprofundar-se mais, estudar os efeitos da lei penal no tempo e espaço, como é o caso do Ex Tunc e Ex Nunc, os quais tratam do fato de retroagir ou não à lei.

9 – Todo o indivíduo é inocente até que se prove o contrário é básico na cidadania

“Art. 9.º Todo acusado é considerado inocente até ser declarado culpado e, se julgar indispensável prendê-lo, todo o rigor desnecessário à guarda da sua pessoa deverá ser severamente reprimido pela lei”.

Você conhece o caso de alguém que foi condenado, mesmo sendo inocente? Bom, isto não teria acontecido se o Art. 9.º dos direitos humanos e cidadania tivesse sido respeitado, pois ele prevê que todo o acusado deve ser considerado inocente até sejam apresentadas provas concretas da sua culpa.

Ou seja, na verdade, apenas pode-se “atribuir culpa” a um individuo após o devido processo legal, com o direito de ampla defesa.

10 – Direitos Humanos: direito à opinião

“Art. 10.º Ninguém pode ser molestado por suas opiniões, incluindo opiniões religiosas, desde que sua manifestação não perturbe a ordem pública estabelecida pela lei”.

Toda a pessoa tem direito à liberdade e deve praticá-la sem interferências, podendo assumir publicamente uma opinião, partido político, uma religião ou outro tipo de manifestação, desde que não perturbe a sociedade.

11- Liberdade de expressão nos direitos humanos e cidadania

“Art. 11.º A livre comunicação das ideias e das opiniões é um dos mais preciosos direitos do homem; todo cidadão pode, portanto, falar, escrever, imprimir livremente, respondendo, todavia, pelos abusos desta liberdade nos termos previstos na lei”.

O Estado e nem outra instituição qualquer pode impedir um cidadão de se comunicar, pois a liberdade de expressão é um direito, estando ele livre para disseminar ideias e opiniões, tanto através da fala quanto da escrita.

Na época da Ditadura Militar Brasileira, muito se oprimiu da liberdade de expressão, assim, pessoas daquele tempo citam como um grande feito o art. 11º.

Os Direitos Humanos e cidadania são ou não são importantes de fato?




FIQUE ATUALIZADO!

Receba Sacadas de Negócios Diretamente no Seu E-mail!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here